Sexta-feira, 15 de Junho de 2007

Acabei de notar...



Que desde Fevereiro que não escrevo nada. Antes, confesso, nada que eu tivesse escrito me faria sequer pensar por um momento que qualquer relevancia tivesse, e assim permanecem as minhas opiniões e pensamentos.

Não passo afinal de mais um numa multidão indesejada e parda de solitários que escrevem para débito digestivo das suas próprias tripas intelectuais... se é que de intelecto sequer se possa falar.

O pior desta treta toda, é que só escrevo quando nada me inspira e quando me sinto apenas amorfo e a flutuar no miasma malcheiroso da minha vida sem destino. Por isso, nada de consequencia sai do meu teclado. Está explicado, e eu nunca fiz alarde de nada contrário. Ou, pelo menos, assim espero.

Afinal, escrever para ninguém ler é como dar um daqueles traques malcheirosos e vis, insuportáveis, que qualquer pré-adolescente consideraria sem hesitação ser uma obra de arte, se o cheirasse. Mas fazê-lo sem audiencia olfactiva, concordemos, é um desperdício.

sinto-me: Malcheiroso
publicado por Sergio às 21:13
link do post | comentar | favorito

|| mais ...

pesquisar

 

Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
23
24
25
26
27
28
29
30

|| posts recentes

Desistir da Felicidade é ...

Havia uma luz...

All is forgotten...

Sem dormir, outra vez

Desculpem...

A rasoura de Occam, o meu...

Queres ser Escritor em Po...

Não é giro, mesmo, que fa...

Sera que vem aí o bom tem...

Fraude no paraíso das ant...

Praxe Administrativa

Estíolo

A doce calmaria

Acabei de notar...

Manifesto (de Janeiro...)

|| arquivos

Abril 2012

Março 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Março 2011

Fevereiro 2009

Setembro 2008

Fevereiro 2008

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

|| tags

todas as tags

|| favoritos

Efeméride

Os velhos do restelo

|| links

|| imagens

blogs SAPO

subscrever feeds