Sábado, 7 de Outubro de 2006

Será que me chateia?



De repente, percebi algo importante. Sim, eu sei, às vezes sou lento, de formas irrevogávelmente recuperáveis, do ponto de vista pessoal, claro. Mais uma vez, enfim, compreendi que estou destinado à mediocridade, nem mais.

Será que isso me chateia? ... Será? Bah!

Adorava que a resposta fosse simples. Mas antes de continuar, tenho que esclarecer algo aqui: este blog é pessoal, é o meu desabafo pessoal. Não espero qualquer espécie de aprovação - ou reprovação. Nada. Eu até só cumpro o dever de usar este idioma, e da forma mais correcta que me é conhecida, porque este blog está no sapo **. Senão, escreveria como o Irmão Salvatore (ref. ao filme, "O nome da rosa" - baseado, aliás, num livro de Umberto Eco - e, em particular, à interpretação fenomenal que Ron Perlman deu ao personagem), e tudo o que diria seriam disparates, misturas de idiomas sem sentido, coisas que as pessoas nunca pensariam ser normais, inteligíveis ou racionais. Só fariam sentido para quem dominasse mais que um idioma, claro. Ainda bem que não estamos nessa tal de idade média (os anglos chamam-lhe "dark ages", vá-se lá saber porquê!! ... )

Como de costume, divago. Óbviamente, isto é mais um produto das minhas insónias, nada poético, tampouco amigável. Se eu escrevesse porque o mundo me parecesse "fixe", para ocupar as horas de inónia, ou outras, porque sofreria eu de insónia??

Aliás, esclareçamos, eu não SOFRO de insónia. A insónia invade-me, apodera-se de mim, acorda-me quando quero dormir, chateia-me solenemente, e, recursivamente [pt], obriga-me a tê-la. Faz sentido?

Pois, por isso falei do tal Irmão Salvatore. Ás vezes penso que, insone ou não, tudo o que digo não passa de uma algarviada de moçárabe, godo e latim, e que, por isso mesmo, e acrescentando todas aquelas porcarias foneticas alienigenas  [2ª opinião] que fui aprendendo, sentido não fazem para ninguém. Nem para mim.

Tudo o que digo é apenas ruído. Tudo o que penso, é estática. Hehehe, enfim, imaginem!, ainda acabo como o irmão Salvatore. Pois, ele acabou assado, no espeto.

Será que ele dormia, antes da "cozinhação", no "barbecue" da inquisição? Rima, eh?

Boa nacht. Buona noite. Sleep bem, and no te dementiques auf revêr!*

LOL!


* Desafio-te a traduzires isto!

** ('Tá bem, está no sapo e estou bem orgulhoso do sapo ter os blogs, ok?) - pois, os dois asteriscos foram só p'ra confundir ainda mais a coisa, hehehehe.

sinto-me: Insone, como de costume...
publicado por Sergio às 02:41
link do post | comentar | favorito

|| mais ...

pesquisar

 

Abril 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
23
24
25
26
27
28
29
30

|| posts recentes

Desistir da Felicidade é ...

Havia uma luz...

All is forgotten...

Sem dormir, outra vez

Desculpem...

A rasoura de Occam, o meu...

Queres ser Escritor em Po...

Não é giro, mesmo, que fa...

Sera que vem aí o bom tem...

Fraude no paraíso das ant...

Praxe Administrativa

Estíolo

A doce calmaria

Acabei de notar...

Manifesto (de Janeiro...)

|| arquivos

Abril 2012

Março 2012

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Março 2011

Fevereiro 2009

Setembro 2008

Fevereiro 2008

Junho 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Dezembro 2005

|| tags

todas as tags

|| favoritos

Efeméride

Os velhos do restelo

|| links

|| imagens

blogs SAPO

subscrever feeds